Destaque

Arcebispos de Salvador e de Feira de Santana falam sobre importância da Campanha da Fraternidade para a sociedade em sessão proposta pelo deputado Angelo Almeida 

Em sessão especial realizada nesta quinta-feira (7), no Plenário da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), os arcebispos de Salvador e Primaz do Brasil, Cardeal Dom Sérgio da Rocha, e de Feira de Santana, Dom Zanoni Demettino Castro, abordaram a “Fraternidade e Educação: fala com sabedoria, ensina com amor”, tema da Campanha da Fraternidade 2022.
Proposta pelo deputado estadual Angelo Almeida (PSB), a sessão reuniu a comunidade católica e representantes do governo e da sociedade civil, levando para a Casa Legislativa a discussão, com o objetivo, segundo o parlamentar, de fomentar e inspirar outros deputados, parlamentos, rodas de conversa e igrejas. “Por um lado, estamos nos encontrando e celebrando a Campanha da Fraternidade, por outro, enquanto legislador no âmbito estadual, buscando, a partir do método Ver, Julgar e Agir, como recomenda a metodologia das CFs, conhecer, discutir e propor ações legislativas”, disse.
O Cardeal Dom Sérgio destacou a importância da CF, que tem repercutido não somente nas comunidades eclesiais, mas também nos diversos campos da sociedade. “Pela sua natureza, a campanha sempre vai além da igreja católica. O tema deste ano é de grande atualidade e urgência”, afirmou, acrescentando que a Educação não pode ser descuidada, não pode ser deixada para depois.
Dom Zanoni citou um ditado africano para reforçar a necessidade do envolvimento de todos neste debate: “Para educar uma criança é preciso uma aldeia inteira”.  “Esta Campanha da Fraternidade não é só da igreja católica, é algo da humanidade. Eu creio que esta nossa sessão continua, em nossas casas, em nossas famílias, porque esse mundo, esse Brasil, precisa destas mudanças, desta transformação, desta construção de paz”, declarou.
Para Almeida, o tema convida todos a uma reflexão sobre o papel libertador da educação como instrumento não só do acesso ao conhecimento, mas como meio de transformar vidas e construir uma sociedade democrática. “A educação não pode ser uma mercadoria, muito menos uma mercadoria cara. Não pode ser um bem, ou privilégio para alguns, e sim um Direito Humano gratuito e de qualidade para todos e todas”, defendeu o deputado.
A sessão contou também com as participações da deputada Maria Del Carmen (PT); da superintende de Políticas para a Educação Básica, Rebeca França, representando o Governo do Estado; Major Capelão Daniel Francisco de Sousa, representando o comandante geral da 6ª Região Militar, General de Divisão Marcelo Arantes Guedon; defensora Rosane de Melo Assunção, representando o defensor-geral da Bahia, Rafson Ximenes; pró-reitora de Extensão e Ação Comunitária da Ucsal, Maria Gorete Borges Figueiredo, representando a reitora, Silvana de Sá; presidente da Associação Social Arquidiocesana, padre José Carlos;
vigário episcopal para Cultura, Educação e Comunicação na Arquidiocese de Salvador, padre Manoel de Oliveira Filho; assessora especial da Secult, Piti Canella, representando a secretária Arany Santana; secretária especial da executiva estadual do PSB Bahia, Selma Pereira, representando a deputada federal Lídice da Mata; presidente da CUFA Bahia, Márcio Lima; o superintendente da SUTRAG, Yulo Oiticica; coordenadora Arquidiocesana da Pastoral da Criança de Salvador, Sheila Pitanga; e o professor e membro da pastoral da Educação da Uneb, professor José Braga.

Qual sua reação?

Massa!
0
Bacana
0
Curti
0
Ouch!
0
Credo!
0

Você pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in:Destaque